Águas

Águas

Bacia hidrográfica,
Drenada por afluentes e subafluentes,
Tal qual letras entrelaçadas com outras
Originando frases, as vírgulas as interrompem.
O mar de Aral suplica por água.
Aquela que lhe foi tirada,
Que desviara os olhos do lago salgado,
Agora é como um mar no deserto,
Solitário.
Grandiosos pluviais,
Rios que encharcam a terra e trazem fertilidade,
Águas tão aguardadas no sertão.
Puramente águas que secam no período da estiagem
E fica na lembrança o momento em que foram abundantes.
A água que banhara outrora população
Não é mais a mesma que a banha hoje
São águas históricas que se renovam
Em eternos moinhos.
Certezas?

Certezas?

São das dúvidas que eu vivo.
Crio, recrio, descarto modelos.
Há mais no mundo para se (tentar) descobrir
Mas é o desconhecido, a assimetria que deve prevalecer.
É a loucura que faz do homem alguém sensato,
Que vê o firmamento sempre de uma nova maneira.
Pode parecer uma contradição:
O homem precisa de algo em que se sustentar
Porém,
Debruçar-se apenas nas verdades fornecidas,
Viver com receio de agir por si mesmo,
É uma forma de só desvalorizar a razão humana.
O pensar, o agir
Perdem-se no meio das ideias que acobertam o homem
E este se aprisiona em si mesmo.
Como?
Exatamente aquilo que ele procura como certeza,
Uma busca incessante e desvairada,
É só a tentativa de trazer ordem para si mesmo.
E o círculo das certezas o pressiona e se transforma num monstro.
Obrigada novamente!

Obrigada novamente!

Há alguns dias, eu disse aqui que o ator Saulo Vasconcelos postou a minha resenha sobre a peça Cats no blog dele. Agora descobri também que a Sara Sarres, atriz que interpreta a gata Jellylorum na peça e já interpretou Christine em O Fantasma da Ópera, postou no blog dela também! Assim, esse aqui é mais um agradecimento! 😀

Um agradecimento…

Um agradecimento…

Eu mantenho esse blog desde novembro de 2009, faz pouco tempo. Tento escrever com frequência só para treinar ainda mais a escrita e porque eu realmente amo escrever.
Fui assistir a peça musical Cats, escrevi uma resenha – tenho muitas aqui no blog – e mandei um e-mail ao ator Saulo Vasconcelos, muito reconhecido pelas peças O Fantasma da Ópera, A Noviça Rebelde, A Bela e a Fera, inclusive Cats. Disse a ele que havia escrito uma resenha crítica sobre a peça e que adoraria um comentário aqui no blog. Ele fez mais que isso: postou a resenha na íntegra no blog dele! Só posso agradecer porque assim é uma forma de divulgar mais o meu blog e, saber que o meu texto foi lido por alguém que admiro muito, faz com que eu continue a escrever.
Cats

Cats

Peça musical Cats
Brasil/2010
Com Saulo Vasconcelos, Paula Lima, Sara Sarres
 

As silhuetas de gatos iluminadas pelo luar, olhos felinos reluzentes no escuro. Assim que os gatos aparecem entre a plateia, a peça Cats, musical oriundo da Broadway em cartaz no Teatro Abril, cativa com músicas belíssimas e uma excelente construção metafórica de cada gato-personagem.

Os gatos do enredo são da tribo Jellicle que esperam ter uma chance de renascer, uma oportunidade que, a cada ano, o líder Old Deutoronomy dá àquele que a merece. Já que todos os gatos têm sete vidas, o líder escolhe um que poderá renascer.

A protagonista é a gata Grizabella, um tanto velha e maltrapilha que retorna à tribo depois de ter saído explorando o mundo. A personagem pode ser comparada ao indivíduo que sai da caverna, encontra o conhecimento e retorna a sua origem a fim de falar aos demais o quanto é vasto o mundo fora da caverna, narrado na Alegoria da Caverna, de Platão. Mas quando Grizabella retorna, tal qual o indivíduo na Alegoria, é incompreendida por aqueles que optaram em viver eternamente junto à tribo. Para os gatos Jellicle, a vida baseia-se em andar entre os becos à espera da decisão do líder de enviá-los a outro destino. Já a gata foi mais ousada e sonhou pela sua emancipação, em conhecer o mundo “pós-beco”.

A história não se concentra apenas em Grizabella. As músicas apresentam cada tipo felino Jellicle que não foge nada dos estereótipos humanos. Há o gato malandro, a dupla que vive de roubos, o ator que vive das recordações de sua era de ouro. São tipos com características humanas, personificam a malandragem, o mistério e a tristeza em recordar do passado que podem muito bem ser encontradas no ser humano.

A condição enfrentada por Grizabella e pelos demais gatos encena a marginalização humana. Ao ficarem à margem da sociedade, os gatos tentam viver da melhor maneira possível, sonhando com o dia em que poderão viver uma vida diferente da atual. É a ideologia humana por um lugar mais justo, igualitário.

A peça é bem amarrada e com cenas surpreendentes. As músicas traduzidas por Toquinho ficaram devidamente abrasileiradas e emocionantes. A cena em que Paula Lima, como Grizabella, canta a versão de “Memory” é de levar o espectador às lágrimas. Mais uma vez o ator Saulo Vasconcelos traz um personagem encantador ao palco, atuando como o líder sábio e cativante Old Deutoronomy.  Os atores que assumem os demais gatos conseguem representar muito bem os trejeitos felinos, como a agilidade e o andar sinuoso. É uma verdadeira obra-prima, grandiosa e inesquecível.