Cólera e matéria-prima

Ressoa em meus ouvidos os gritos coléricos de Álvaro de Campos.
Todo o ímpeto de gritar, a vontade de a sociedade esmagar
Os erros nomear…
Hoje, talvez, ele entendesse:
Falar de seu problema não o faz ser fútil diante de outros
O choro e a lamentação tem prazo de validade
Isso é fato.
Permitir o desmoronamento interior,
Como uma marca constante relembrando as dores,
Destrói a humanidade.
Mas o avançar do mundo anseia por uma circularidade louca
Possível?
Ascensão, queda…humores
Não são pelas lamentações que se pretende um ato a mais?
Esbravejar ao mundo o que o irrita é melhor do que não fazê-lo!
Então é isso!
Desejo do mundo o correr da água, veloz
Chegar a algum lugar!
Enlouquecidamente, a cada passo, quero o melhor!
Cansaço vai e vem…abstrato
Uma ilusão criada…
É dele que tento arrancar freneticamente
A matéria-prima
De quem eu sou.
Anúncios

Um comentário sobre “Cólera e matéria-prima

  1. É… Talvez se as pessoas fizessem mais isso e não somente se decontentar, reclamar e logo depois se resignar, as coisas não estariam como estão hoje. Esse poema pode ser só um pequeno passo para uma coisa que pode se tornar maior. São das pequenas coisas que vêm as maiores. Viva a revolução, que seja de pensamento, mas mesmo assim, revolução! hehehehe

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s