Por entre os fios, a solidão

Medianera, o lado de um prédio que apresenta as falhas, as rachaduras, o que se tenta esconder com merchandising, propagandas falsas. Duas pessoas com dificuldade de mostrar seus sentimentos, veem a existência engolida pela multidão da cidade, aceitam viver anônimos. Essas frases não correspondem apenas a um filme e sim, dois: Românticos anônimos e Medianeras.

Jean-René e Angélique fazem parte do primeiro. São emotivos demais, sentem a ansiedade em cada parte de seus dias. A insegurança não permite que exponham seus talentos e, quando amam, optam pelo sentimento oculto, anônimos em tudo. O medo de enfrentar o que vem à tona faz Angélique cantarolar para si mesma I have confidence, do musical A Noviça Rebelde. Como se houvesse uma voz em si mesma – que ela desconhece – capaz de proporcionar confiança e salvá-la dos possíveis fracassos pelos quais pode passar se der um passo adiante em sua vida. Jean-René cresceu sob a cautela exagerada dos pais, que comemoravam se não ocorresse nada de diferente em suas vidas, pois assim significava que estavam em segurança. Para Angélique e Jean-René, viver em segurança é a forma que encontram de não enfrentar o inesperado do lado de fora. Optam pelo que é cômodo e duradouro. Mas como agir se duas pessoas inseguras e com medo de arriscar se apaixonam?

Martin e Mariana também são solitários. Vivem numa Buenos Aires emaranhada por fios que – dito pela própria Mariana – serviriam para unir as pessoas, o que não ocorre, apenas separam as pessoas na cidade, colocando cada um em seu devido lugar. Martin tem como companhia uma cadelinha e o computador. As músicas que ouve servem como refúgio para um cotidiano vazio, cheio de fobias. Leva a vida de forma metódica e evita ao máximo sair de casa. Ele vê na fotografia uma maneira de encarar o mundo à sua maneira e tentar transformar a realidade que vê. Mariana ama observar os prédios, pois é formada em arquitetura. Mas, como tudo em sua vida, vive de projetos. Trabalha como vitrinista de uma loja. Em casa guarda os manequins masculinos e femininos, que mudam de roupa de acordo com a estação. Na casa da jovem, os manequins se encontram despidos, talvez demonstrando as fragilidades que Mariana tem. Ela se sente observada apenas quando se encontra na vitrine, montando uma realidade paralela à da ampla Buenos Aires, e insiste em procurar o Wally por entre a multidão representada no livro “Onde está Wally?”, aguardando por alguém que mude sua vida repentinamente.

Esses quatro personagens, apesar de constituírem filmes de nacionalidades diferentes – um é francês e o outro é argentino – conseguem transmitir com delicadeza, profundidade e inteligência a solidão em meio às relações sociais. Não é difícil se identificar com tais personagens. Uma cidade que vê o seu passado, seja o chocolate maravilhosamente criado há muito tempo e existente na memória de gerações, ou os prédios históricos apagados pela novidade do edifício recém-construído, demonstra a necessidade que as pessoas sentem de conseguir dizer quem são, construir uma identidade e deixar-se interligar por outras pessoas.

Angélique, Jean-René, Martin e Mariana representam os temores, as falhas e os sonhos humanos. Pode-se dizer que os quatro aguardam por alguém que os resgate da monotonia e infelicidade cotidianas. Por entre pessoas desconhecidas e encontros efêmeros, resta buscar a autonomia enfrentando os próprios medos. Esperar por alguém como o Wally, que tanto se ocultara quando se olhou fixamente para uma mesma página, talvez não seja a primeira solução. Tirar a vida da página dos projetos significa olhar as maiores falhas que se possui, tais quais as rachaduras que se deseja ocultar em medianeras. Para encontrar o Wally, há várias opções: a sorte, um olhar clínico,
a análise metódica de cada centímetro da página. Mas, principalmente, a busca por Wally significa encontrar a própria identidade em meio à multidão.

Resenha compartilhada pelo perfil Medianeras, no facebook, aqui!

Anúncios

4 comentários sobre “Por entre os fios, a solidão

  1. Má achei muito válida a comparação entre os dois filmes. Apesar não ter assistido românticos anônimos, creio pela sua descrição que a solidão interior representada em cada um dos filmes fala um pouquinhos da dificuldade de nós nos abrimos para sermos nós mesmos no mundo atual e o conflitos que temos para nos aceitarmos como realmente somos.
    Essa questão que vc levanta ao final sobre a eterna busca de uma identidade é interessantissima. E o cinema cada vez mais tenta retratar a simplicidade de ser vc mesmo e encontrar alguém te aceite assim. Simples e sem fingimentos.
    Eu sou suspeita para falar, mas amei medianeira e tb adoro a temática de como o excesso de informação virtual e a falta comunicação física distancia cada vez mais as pessoas nos tempos atuais. Como proto-comunicadora não pude deixar passar esta questão em branco. Acho que medianeiras demonstra bem o fato de cada vez as pessoas se esconderem atras das telas dos computadores por medo de não serem aceitas como são e assim, não se encaixando em um padrão social que querendo ou não ainda existe. Você concorda com isso? No caso de medianeiras, como vc vê essas questão da comunicação e do amor virtual que o filme propõe?

    Bom é isso má gostei muito da resenha e deixo registrada essas questões para uma futura reflexão nossa. rs

    Curtir

    • Adorei o seu comentário, Renata! Acho que o filme Medianeras transmite mesmo essa ideia de que há mundos diferentes numa cidade. Esta cresce e vai envolvendo as pessoas que nela vivem e, como o convívio se torna muito efêmero, as pessoas acabam se concentrando numa própria realidade. Os personagens demonstram isso e não deixa de ser verdade. A comunicação, no dia a dia, passa a ser escassa, enquanto a informação disseminada pela internet a cada segundo cresce. E o filme faz a gente questionar qual é o valor do que vemos a cada segundo numa cidade, o valor dos prédios históricos, das pessoas. Acho que o Wally vem pra mostrar isso, por um momento ele se torna válido na multidão, mesmo sendo uma pessoa com estilo peculiar (a começar pela roupa haha). É uma boa sacada do filme ser feito a partir das manias e infelicidades de Martin e Mariana, porque se torna mais próximo da realidade e debate justamente como a nossa identidade é vista pelo outro.

      Curtir

  2. Fantasticas resenhas! Pena não ter assistido o “Romãnticos Anônimos”, mesmo assim posso dizer que você fez uma ótima relação entre os filmes que com argumentos distintos, tratam do mesmo tema.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s