Cortina

Os olhos pesam,
Ao ânimo persisto,
Mas dele logo desisto.
O sono invade a pálpebra,
Levo-me ao suspiro.
O pouco ar e entusiasmo se esvaem
Ah, é só uma breve desistência!
Acabo por me enrolar no cobertor e em reticências…
Deixe na mesa tudo assim mesmo!
Esta é a minha ínfima liberdade
Ai, a de respirar…
Por entre os segundos escorregadios.
Com exclamações já não me expresso mais,
A força dos braços, dos olhos vívidos,
Da mente impetuosa…são a sombra do dia.
Cansaço pela realidade vivida.
As cores se desbotam
Nesse leve fechar da cortina.
Repousar.
Só um pouco.
Amanhã sacudo essa cortina,
Para o tecido tremular corajosamente
E observar a vista novamente.
A se desvelar reinventada.
Anúncios

2 comentários sobre “Cortina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s