Boneco de neve, de Jo Nesbo

Resenha publicada no site Indique um livro

Minha parceria com a Editora Record

Editora Record, 418 pgs, 2013

Boneco de Neve tem uma história audaciosa. De início, o título nos faz duvidar da capacidade de um boneco de neve , personagem tão cândido no imaginário de quem vive nos trópicos e um dia se depara com a neve quase mística, carregar uma imagem macabra. Jo Nesbo consegue trabalhá-la de modo eficiente e nós, leitores, não hesitamos em acreditar nesse personagem perturbador.

A história se passa em Oslo, Noruega, e trata dos desaparecimentos seguidos de assassinatos cruéis de algumas mulheres. O ponto em comum: todas são casadas e têm filhos pequenos. Esse padrão faz com que Harry Hole, o único policial de Oslo que se especializou no estudo sobre serial killers, acredite que há um grande assassino à espreita na cidade, pronto para cometer um assassinato assim que a neve cai. O boneco de neve é o prelúdio para a crueldade. Se ele está no local do crime, é porque alguém irá morrer.

Desta forma, deixo aqui a dúvida que deve permanecer durante a leitura, se a história é sobrenatural ou não. Jo Nesbo consegue criar uma atmosfera claustrofóbica da cidade que se vê em meio à transparência da neve. Porém, é justamente essa neve que acaba sendo mais uma personagem da história, ocultando os segredos dos personagens. O leitor acompanha todo o encaixe das peças por meio dos passos do detetive Harry Hole, com cada capítulo demarcado por uma data. Hole é um personagem que também esconde os seus desejos de autodestruição. Durante a leitura, pode-se dizer que sentimos o enredo crescendo gradativamente para o clímax, pois Nesbo consegue fornecer as pistas certas para que possamos também tentar supor o que está por trás do boneco de neve.

Em certo momento da leitura, eu temi que o livro me decepcionaria. Faltavam cem páginas e parecia que o enredo havia congelado e eu pensei “não deve ser esse o desfecho que o autor procura”. E, felizmente, a minha impressão estava correta. Começam as explicações que clarificam os detalhes dos crimes. A história ganha novo fôlego para o tão esperado clímax, o qual não decepciona. É imaginado com cuidado e sagacidade por parte do autor. Ele nos deixa nervosos, surpresos pela composição crua da cena, bem justificada e seguindo a lógica de todo o romance.

A obra tem uma história até mesmo simples, que conseguimos acompanhar. Somos conduzidos a um clímax que consegue dialogar muito bem com os assassinatos anteriores. É como se o Boneco de Neve estivesse criando uma obra de arte juntando as pontas, a fim de visualizarmos o espetáculo final.  Assim, é o desfecho que consegue engrandecer a obra de Jo Nesbo, testando seus personagens além dos limites da primeira neve do ano.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s