Oscar 2015 | Boyhood – Da infância à juventude

Direção: Richard Linklater

Com Ellar Coltrane, Patricia Arquette, Ethan Hawke, Lorelei Linklater

Indicado a seis categorias no Oscar 2015: Melhor filme, Melhor direção, Melhor ator coadjuvante (Ethan Hawke), Melhor atriz coadjuvante (Patricia Arquette), Melhor montagem, Melhor roteiro original.

boyhood-poster164 minutos que condensam 12 anos de trabalho. Este é Boyhood, filme do diretor Richard Linklater, que apresenta a infância, a adolescência e a chegada à vida adulta, fases vivenciadas pelos próprios atores do elenco que fizeram parte destes 12 anos do projeto. O produto final é um filme que revela, com verossimilhança e simplicidade, as fases que todos enfrentam em vida.

Em primeiro lugar, o que dá um tom realista ao filme é a escolha de Linklater por apresentar este crescimento. Não apenas vemos Mason crescer, o garoto interpretado por Ellar Coltrane, mas também sua irmã Samantha (Lorelei Linklater), sua mãe (Patricia Arquette) e seu pai (Ethan Hawke) desenvolvem seus dilemas e conquistas na tela. Por entre perguntas típicas das crianças, deveres de casa não entregues, cortes de cabelos, separações e brigas, vemos esses quatro personagens apresentando à vida quem eles desejam ser e as mudanças de percurso. O curioso é constatar que o espectador quase os coloca em teste, buscando ver se realmente a sua fase vivida está lá. E isso acontece muitas vezes.

As primeiras evidências são as músicas escolhidas para o filme. De Coldplay a Daft Punk e Lady Gaga, reconhecemos o período não por uma legenda que indica a passagem do tempo, mas pelas trilhas dispostas na película e suas mudanças corporais. Essa saída perspicaz de Linklater já insere uma das grandes relações que temos com os personagens: como nós, eles têm suas fases embaladas por músicas. Ou, na infância perguntam pela existência da magia e leem Harry Potter. Reconhecemos o tempo em Boyhood por elementos que, por vezes, fazem parte das lembranças do próprio público.

Em segundo, estes personagens são comuns. É possível reconhecer neles as nossas próprias fases, quando testamos um penteado ou roupa na adolescência, em busca de uma identidade em formação, ou a pressão de escolher a carreira e assumir as responsabilidades. Boyhood é um exercício nostálgico, porém sem cair no excesso de apelar para as emoções do público. O que vemos na tela é um retrato familiar próximo da realidade. E contemplar o crescimento desta família, a surpresa em notar como o garoto cresceu, mudou seus costumes e passa a se expressar mais, acaba por provocar até mesmo orgulho por passar três horas conhecendo a história desta família, que pode, muito bem, ter proximidade com a nossa.

Com a indicação de Patricia Arquette como Melhor atriz ao Oscar, compreende-se como a sua personagem, mãe de Mason, pode também ser outra perspectiva para se levar em conta ao ver Boyhood. Se o garoto está crescendo para ser o adulto apresentado à sociedade, esta mãe que se separa, buscando ter um companheiro que a mereça, que estuda com a esperança de ser professora, apesar da dificuldade de cuidar da família, se vê abandonada pelos filhos e sem perspectiva ao final, quando os vê crescer.

Este ponto apresentado por Linklater é tão forte que eleva a sua personagem ao grande espaço que merece, ao de heroína, como muitas mães que conduzem famílias se equilibrando entre os conflitos. Assumimos um carinho por ela, nesta atuação simples e intensa de Arquette para, então, entender que o grande papel que Linklater assume com seu filme não é apenas mostrar a passagem do tempo. Boyhood aposta nas marcas que o tempo deixa nesta passagem. A força materna e a maturidade que o pai, aos poucos, vai ganhando, compõem a personalidade de Mason e Samantha. Linklater mostra como os pequenos e grandes momentos se somam na formação de um indivíduo. Com brigas, conquistas, cortes de cabelo.

Na opinião de alguns críticos, o filme pode oscilar entre uma suposta falta de roteiro e uma obra que não precisava de 12 anos para ser desenvolvida e resultar em um filme simples. Ambas as perspectivas são exageradas. O que Boyhood verdadeiramente pretende é apresentar a passagem do tempo como uma relação possível ao espectador. Sem saltos que poderiam falsificar esta relação, Boyhood expõe a simplicidade que é pouco vista no cinema. Talvez o pouco que falte para Boyhood ser um filme grandioso em todos os sentidos seja encontrar alguns elementos ficcionais no enredo. Pois ainda o cinema consegue insuflar ao real o poético que faz de uma cena ser inesquecível. Mesmo que o objetivo seja apresentar um realismo, não se pode negar que a vida comum tem suas tomadas de ficção.

Desta forma, o mérito de Boyhood é caminhar com diálogos e cenas próximos à vivência comum. Se muitas vezes reclamamos que não nos vimos retratados no cinema, Boyhood é uma resposta. É a chance de visualizar a trama da própria vida. Como diz o pai de Mason ao garoto ainda pequeno, uma baleia pode ser tão mágica quanto elfos. Um animal que canta cruzando os oceanos pode ser mágica e parte do real. Boyhood acena pelo mesmo caminho, de uma vida feita inteiramente de momentos que compõem esta bela realidade que reside em um eterno presente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s