arte · filosofia · matérias

OBRA DE ARTE DA SEMANA: A Primavera de Botticelli

Publicado no site Artrianon BOTTICELLI, Sandro, têmpera sobre madeira, 1482, 203cm x 314cm A Primavera de Botticelli (1482) é uma pintura que guarda, como motivo da história de sua composição, uma curiosidade. Ela é um talismã. A obra foi encomendada para equilibrar os humores e a tão temida combustão da melancolia, que poderia levar o… Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: A Primavera de Botticelli

arte · prosa poética

Fino vidro

Da janela do ônibus, eu vi o último aceno. Não vinha de pessoas feitas de carne. Mas eram sombras que reuniam a carne dos outros. Eram pessoas amorfas, vistas acenando. Eu sabia que não estavam lá fora, no cinza que me devolvia o olhar, na praça que virava verde embaçado pela rapidez do veículo. Pode… Continuar lendo Fino vidro

literatura · poemas

Poeta

A verdade é que eu queria ser poetaDaqueles que, numa mesa de bar,A alegria e dor num copo se faz cultivarE do real esse vagabundo é um profeta. Ou o poeta de alma desgraçadaCom a alegria pendendo, cansada Ultrarromântico desiludido com o mundo e consigo. Ou quem da infância extrai belezaEmociona pela delicadeza.Mesmo já adulto tem dramas incertosQuanto a… Continuar lendo Poeta

literatura · livros · prosa poética

Coração a delatar melancolia

O clichê do dia frio e nublado, ouvir um blues e jazz. A voz doce de Norah Jones e as palavras duras e frias das páginas de Poe. Melancolia em ambos. Mas em uma há melancolia tranquila, comum à vida. Em outro é a melancolia destrutiva, da vida que nunca viu um feixe de luz… Continuar lendo Coração a delatar melancolia

literatura · poemas

Somente sons

Este silêncio todo me atordoa.O relógio, os pneus dos carros na rua,O tilintar dos copos do vizinho.Um silêncio preenchido de sonsQue passam despercebidos em outro momentoE agora são protagonistas do meu atordoamento.É hora de ligar a televisãoDeixar ecoar a insanidade dos programas,As notícias trágicasE as novelas irreais?Somente sons,Que nessa frase já carrega consigo a sonoridadeA… Continuar lendo Somente sons

literatura · poemas

Todo mundo

Todo mundo já se viu sozinho na multidãoApertou-se ao casaco querendo fugirResistindo à dor que sonha um dia sorrirNas tardes que contemplam o chão.  O calafrio denuncia o medo de escolherComo dar aos dias uma utilidade,Analisar os limites para viver.A escolha é a dolorosa liberdade.  O passado já está todo emaranhado,O coração, com a tristeza,… Continuar lendo Todo mundo