contos · literatura

Olhá lá, tem uma janela acesa no caos

Coluna no Fashionatto -Aquele suéter caramelo combina com a calça marrom lá de baixo. Fica bem com uma botinha – disse Gabi. -É, fica bom. Queria ver usar a calça vermelha do 65 com o moletom verde limão lá no varal de cima, sabe? -Mas ficaria meio estranho, né? Bom, depende, vai que fica diferente.… Continuar lendo Olhá lá, tem uma janela acesa no caos

arte · filosofia · história · literatura · livros · matérias

Um olhar pulsante sobre a modernidade por Baudelaire, Poe e Hoffmann

“Multidão, solidão: termos iguais e permutáveis, para o poeta ativo e fecundo. Quem não sabe povoar sua solidão tampouco sabe estar só em meio a uma massa azafamada. (…) O andarilho solitário e pensativo tira uma embriaguez singular desta universal comunhão. Quem desposa facilmente a massa conhece gozos febris, dos quais serão eternamente privados o… Continuar lendo Um olhar pulsante sobre a modernidade por Baudelaire, Poe e Hoffmann

literatura · poemas

Somente sons

Este silêncio todo me atordoa.O relógio, os pneus dos carros na rua,O tilintar dos copos do vizinho.Um silêncio preenchido de sonsQue passam despercebidos em outro momentoE agora são protagonistas do meu atordoamento.É hora de ligar a televisãoDeixar ecoar a insanidade dos programas,As notícias trágicasE as novelas irreais?Somente sons,Que nessa frase já carrega consigo a sonoridadeA… Continuar lendo Somente sons

cinema · resenhas

Por entre os fios, a solidão

Medianera, o lado de um prédio que apresenta as falhas, as rachaduras, o que se tenta esconder com merchandising, propagandas falsas. Duas pessoas com dificuldade de mostrar seus sentimentos, veem a existência engolida pela multidão da cidade, aceitam viver anônimos. Essas frases não correspondem apenas a um filme e sim, dois: Românticos anônimos e Medianeras.… Continuar lendo Por entre os fios, a solidão

contos · filosofia · literatura

Uma vela a se consumir…

A beleza sumira, o tempo passara. Diante de um espelho – também envelhecido - Helena não se reconhecia. Fios grisalhos enrolavam-se cada vez mais aos cabelos que outrora foram pretos. Penteava-os com esmero ao ver o preto luzir. Agora só contemplava o cansaço nas faces e a velhice. O problema não era exatamente o reflexo… Continuar lendo Uma vela a se consumir…